Na Série D, mas fora da elite estadual

*Atualizado em 29 de abril de 2019, às 00h07

Estar em uma divisão nacional não significa ser parte da primeira divisão estadual. Se isso é visto na segunda e terceira divisão, com casos até mesmo na Série A, a quarta divisão nacional não seria diferente.

Você pode se perguntar como é possível que uma equipe se classifique à Série D, estando na segunda (ou terceira) divisão estadual. Obviamente, não seria via Estadual, mas existem outros dois modos, pelas copas estaduais ou vindo de um rebaixamento da Série C.

A Série Z te mostra os casos em que clubes disputaram a segunda ou terceira divisão estadual, mas fizeram parte do quadro de clubes da Série D!

Pelotas (2009)

Fora da elite gaúcha entre 2005 e 2009, o Pelotas conseguiu a vaga na primeira Série D via Copa FGF 2008, quando se sagrou campeão em cima do Cerâmica, no ano do centenário da equipe. Na Série D 2009, a equipe teve, dentro de campo, a pior campanha, com um ponto ganho, mas ficou na penúltima colocação geral, pois o Naviraiense perdeu pontos. Em compensação, o Lobo conseguiu o vice-campeonato do Gaúcho da Segunda Divisão, garantindo o retorno a primeira divisão.

CSA (2010)

Quem vê a atual situação do CSA pode não lembrar que em 2010, o clube estava na segunda divisão estadual, após o rebaixamento em 2009. O caso da participação do CSA é bem peculiar. O Murici, então campeão alagoano, acabou desistindo da Série D, devido a enchentes que assolaram o município de mesmo nome. A vaga foi repassada a outras equipes da primeira divisão, mas foi passando, passando e acabou que nenhum time quis e a vaga ficou com o Azulão. Na Série D, a equipe parou na segunda fase, mas fica a lembrança da liderança no grupo 4, que tinha o Santa Cruz. A equipe retornou a primeira divisão.

Marcílio Dias (2010 e 2013)

O ano de 2009 tinha tudo para ser especial, com a disputa da primeira Série C reformulada e mais uma edição do Catarinense. Resultado: rebaixamento nas duas competições. Em 2010, a Série D dava um alívio nacional, mas a campanha foi ruim, com a lanterna do grupo 10, com três empates em seis jogos. No Catarinense Divisão Especial (segunda divisão), a equipe conquista o título.

Em 2013, o Marinheiro voltou a disputar a Série D no mesmo ano em que participou da segunda divisão estadual. Dessa vez, a vaga veio via Copa Santa Catarina 2012, quando ficou com o vice. Em 2013, a equipe voltou a segunda divisão e foi campeão. No Nacional, lutou pela vaga até as últimas rodadas, mas não conseguiu vaga no mata-mata.

Cerâmica (2011)

O Cerâmica enfrentou o Oeste naquela campanha (Foto: Leandro Domingues)
O Cerâmica enfrentou o Oeste naquela campanha (Foto: Leandro Domingues)

O clube de Gravataí gostava da Copa FGF, com boas campanhas, mesmo com dois vices. Em 2010, a equipe perdeu a final para o Internacional “B” e ficou com a vaga para a Série D 2011, onde ficou com a lanterna do grupo 7, com cinco pontos, longe da classificação. Entretanto, a tão sonhada volta à elite estadual foi conquistada, com mais um vice-campeonato.

Sendas (2011)

Um dos confrontos do Sendas foi contra o São Mateus (Foto: Reprodução/Cenário Esportivo)
Um dos confrontos do Sendas foi contra o São Mateus (Foto: Reprodução/Cenário Esportivo)

Atual Audax Rio, o então Sendas, disputou a Série D 2011, como campeão da Copa Rio 2010, após vencer o Bangu. A equipe tinha boa estrutura e chegou a uma divisão nacional antes mesmo de chegar ao Carioca. Na disputa nacional, a equipe ficou em terceiro lugar no grupo 6, mas não conseguiu a vaga para seguir adiante. Na Série B carioca, a equipe fez a melhor campanha na primeira fase, mas sucumbiu na seguinte e o acesso veio apenas em 2012.

Araguaína (2012)

O ano de 2011 tinha tudo para ser especial, com a disputa da Série C e mais uma edição do Catarinense. Resultado: rebaixamento nas duas competições. Não estranhe, mudamos apenas algumas partes da história do Marcílio Dias, pois a do Araguaína é igual. A equipe teve a maior conquista do futebol tocantinense com o acesso à Série C, mas no ano que tinha tudo para ser mais histórico, fez apenas um ponto na terceira divisão e foi rebaixado no Estadual. Em 2012, foi mal na Série D, mas subiu no Tocantinense.

Brasil de Pelotas (2012)

Rebaixado por problemas judiciais na Série C 2011, o Xavante estava na segunda divisão estadual desde 2010, como efeito da tragédia de 2009, que vitimou o ídolo Cláudio Millar. Em 2012, a equipe parou na primeira fase da Série D e nem mesmo na segunda divisão estadual fez boa campanha. A retomada de sucesso começou no ano seguinte, com a saída da segunda divisão estadual rumo ao Brasileirão Série B.

Concórdia (2012)

A classificação do Concórdia à Série D 2012 foi bizarra. Na Copa Santa Catarina 2011, cinco equipes participaram da competição e o Galo do Oeste ficou em quinto, mas Brusque e Marcílio Dias desistiram da vaga, o Metropolitano garantiu via Estadual e o Joinville disputava a Série C, assim, a vaga caiu no colo do Concórdia, que havia sido rebaixado naquele ano. Em 2012, a equipe ficou em último no grupo 7 e no Catarinense Divisão Especial parou nas semifinais e não garantiu o retorno a primeira divisão.

Marília (2012)

Acostumado a ter campanhas consistentes na Série B na década passada, o Marília passou a conviver com o efeito ioiô. Em 2011, a equipe foi rebaixada na Série C e no Paulista Série A-2. Consequência, a equipe participou da Série D 2012, no ano em que disputou a terceira divisão paulista. Nos dois campeonatos, má campanha! Nunca mais voltou a disputar uma divisão nacional.

Santo André (2013)

Santo André e Marcílio Dias foi o único confronto entre equipes de segunda divisão na Série D (Foto: Reprodução/Jogos do Marcílio)
Santo André e Marcílio Dias foi o primeiro confronto entre equipes de segunda divisão na Série D (Foto: Reprodução/Jogos do Marcílio)

Vindo da Série C 2012, o Ramalhão estava em uma derrocada após a participação na Série A 2009 e o vice-estadual de 2010. Pelo segundo ano estava na Série A-2 e corria o risco de ficar sem calendário nacional. Na Série D, conseguiu vaga na segunda fase, com o 2º lugar no grupo 7, atrás do Juventude. Porém, a equipe parou no Metropolitano no mata-mata. No primeiro semestre, a equipe falhou na tentativa de voltar a Série A-1, que ocorreu apenas no ano passado.

Grêmio Barueri (2014)

Um dos projetos mais interessantes do fim da década passada se tornou uma decepção anos depois. Em 2013, o Barueri foi rebaixado na Série C! No ano que estreou na Série D, a equipe havia disputado pela terceira vez seguida, a Série A-2. Não foi bem em nenhuma das competições.

Guarani de Palhoça (2014)

Terceiro lugar na Copa Santa Catarina 2013, a vaga na Série D foi repassada ao Guarani de Palhoça, que recém havia voltado a segunda divisão catarinense, após o Metropolitano garantir a vaga via Estadual. Ficou em último no grupo que participou, mas o ano teve como ponto alto, a volta a primeira divisão, com o vice-campeonato.

Ipatinga (2014)

Outro projeto emergente que vive dias melancólicos, o Ipatinga, em 2014, voltou ao nome original, após um ano como Betim, onde ficou perto do acesso na Série C 2013, mas foi excluído do certame seguinte por ter entrado na Justiça Comum. Dessa forma, teve que disputar a Série D 2014, onde fez péssima campanha, com os piores números entre os participantes. No Mineiro Módulo II não teve boa campanha, com um modesto nono lugar.

Duque de Caxias (2015)

O 2014 do Duque de Caxias foi péssimo com rebaixamentos no Carioca e Série C. Após anos de estabilidade nacional, o Duque se viu na quarta divisão nacional e, pior, na “segundona” estadual. No Carioca, o clube ficou em quarto, relativamente, longe do acesso e na D ficou em penúltimo no grupo 6, com sete pontos, acima apenas do Villa Nova. O clube, desde então, passou longe de voltar a uma divisão nacional.

São Caetano (2015)

A história do São Caetano é a mesma do Duque, com um 2014 péssimo, com quedas no Paulista e Série C. De grande história no início do século, o Azulão passou por grave crise, que culminou em descensos. Entre os clubes que participaram da Série D e de uma divisão menor estadual, o São Caetano foi o que teve a melhor campanha. Na primeira fase, a equipe foi o melhor na classificação final e chegou ao jogo do acesso, como favorito contra o Botafogo-SP, mas não venceu a forte retranca. No primeiro semestre, a equipe terminou em sétimo e desde então, não conseguiu retornar a primeira divisão.

Caxias (2016)

Comemoração do Caxias no jogo contra o Maringá, válido pela Série D (Foto: Geremias Orlando)
Comemoração do Caxias no jogo contra o Maringá, válido pela Série D (Foto: Geremias Orlando)

Um dos casos mais legais da Série D 2016 aconteceu no dia 10 de julho, quando o clube grená estava em campo pela 5ª rodada da primeira fase, contra o Maringá, mas no meio do jogo uma comemoração é realizada dentro de campo, mas não era por um gol e sim, pelo empate final entre Brasil de Farroupilha e Pelotas, na Divisão de Acesso, que garantiu o retorno do clube a primeira divisão. Na Série D, a equipe não conseguiu o acesso, onde era apontado com um dos favoritos do Sul. Pelo menos uma parte do projeto de 2016 serviu para apagar o péssimo 2015.

Operário (2017)

Após o título estadual de 2015, o Fantasma amargou o rebaixamento no ano seguinte. Como não assegurou vaga pelo Paranaense, a equipe disputou a Taça FPF e garantiu calendário nacional para 2017. A equipe disputou a primeira fase da Série D simultaneamente a “semifinal em grupos” da Divisão de Acesso, mas falhou, o que foi considerado um vexame. O ano foi (bem) salvo, pois a equipe conquistou o acesso e o título da quarta divisão.

SÉRIE D 2017 - OPERARIO XV
XV de Piracicaba x Operário: o último encontro do tipo na Série D (Foto: Michel Lambstein/EC XV de Piracicaba)

XV de Piracicaba (2017)

Em  2016, o Nhô Quim viveu o céu e o inferno. A equipe foi rebaixada no Paulista Série A-1, mas conseguiu comemorar o título da Copa Paulista 2016. Optou por jogar a Série D 2017. Não foi bem em nenhuma das competições: na Série A-2, terminou com um decepcionante 12° lugar e no Nacional foi eliminado na primeira fase, onde enfrentou o Operário, o segundo jogo da história da Série D que envolveu dois times que estavam na segunda divisão estadual.

Portuguesa (2017)

O caso da Lusa foi acompanhado por, praticamente, todo o Brasil. Rebaixado na Série A 2013 após o Caso Héverton, a equipe emendou um rebaixamento consecutivo na Série B 2014. Ficou dois anos na Série C até cair em 2016. Sem calendário nacional garantido para uma próxima temporada pela primeira vez na história fez uma Série D abaixo da grandeza, mas esperada pela qualidade do elenco. Foi lanterna do Grupo A13. Não conquistou o acesso estadual e falhou na Copa Paulista desde então.

Americano (2018)

Em 2002, o Americano disputou a última Série B da história. Nos anos seguintes, teve bons momentos no Carioca, mas caiu em declínio a partir de 2006, quando participou da último campeonato nacional. Em 2013, foi rebaixado ao Carioca Série B, onde ficou até 2018, quando disputou a Série D simultaneamente ao estadual. O Mosqueteiro garantiu vaga na quarta divisão, com o vice-campeonato da Copa Rio 2017, pois o Boavista preferiu a vaga na Copa do Brasil. O clube de Campos dos Goytacazes foi eliminado na etapa inicial, mas no âmbito estadual garantiu retorno à elite do futebol fluminense.

Mogi Mirim (2018)

Anos depois do Marília, foi a vez do Mogi Mirim disputar a Série D na mesma temporada em que estava na terceira divisão estadual. Em 2017, a equipe foi rebaixada na Série C e Paulista Série A-2. A campanha na Série A-3 foi terrível com a lanterna da competição. A possibilidade de desistir da edição nacional era considerável, mas resolveram jogar e não passaram da primeira fase, onde teve uma vitória em seis jogos. A equipe está licenciada em 2019

Em 2019, Itaboraí e Gaúcho estarão nessa situação. Aguardemos as finalizações das campanhas para serem colocados aqui.

Um comentário em “Na Série D, mas fora da elite estadual

  1. O São Caetano foi complicado, no confronto que valia o acesso diante do Botafogo de Ribeirão Preto, o Azulão perdeu em Ribeirão Preto por 2×1 e no jogo de volta em São Caetano do Sul diante de um bom público(o que não é muito normal nos jogos do São Caetano) e precisando de uma simples vitória por 1×0 o clube tentou mas a retranca do Botafogo de Ribeirão Preto tava forte e a sorte até sorriu pro São Caetano já que o Botafogo-SP teve 2 jogadores expulsos no segundo tempo e se eu num me engano o São Caetano jogou cerca de 10 minutos ou mais com 2 jogadores a mais mas mesmo assim o desespero e a agonia pelo gol salvador foram maiores q a superioridade numérica e o time não conseguiu o gol salvador e o jogo terminou 0x0 teve até um lance perto do final q um jogador do Botafogo de Ribeirão Preto tirou uma bola quase em cima da linha e no final das contas o Pantera subiu e comemorou muito o acesso que foi dramático se segurando com 2 jogadores a menos. o resultado foi trágico para o Azulão já q o time tava na A2 de SP e não tinha conseguido o acesso e o cenário era ou o time subia na Série D pra Série C ou ficava sem calendário para o ano seguinte e o acesso não veio e depois de tantos anos o São Caetano ficou sem calendário a nível nacional.

Deixe uma resposta para Alex Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close