Costa Rica escandinava

Barrantes é ídolo na Noruega e na Costa Rica. (Foto: UEFA)
Barrantes é ídolo na Noruega e na Costa Rica. (Foto: UEFA)

A primeira zebra da Copa do Mundo aconteceu. A Costa Rica venceu o Uruguai, por 3 a 1 e de virada, em Fortaleza.  A seleção da América Central era (“é”) tida como o saco de pancadas da Copa, ao lado da Austrália, mas surpreendeu e complicou a vida da Celeste Olímpica, no grupo com três campeões mundiais.

Pela quarta vez, a seleção costarriquenha disputa a Copa do Mundo e o que chama atenção é o número de jogadores que jogam na região escandinava: cinco jogadores. Um número inédito para a equipe, que pela primeira vez tem mais jogadores “estrangeiros” do que aqueles que jogam pela liga local (14 a 9).

Nas três edições primeiras vezes que disputou, ao todo foram apenas seis jogadores convocados de fora da Europa e nenhum da região escandinava. Mas o que aconteceu para essa mudança? Uma rede olheiros se instalou na Costa Rica (e na Jamaica) para levar jogadores para os países escandinavos, principalmente para a Noruega, que conta com três jogadores costarriquenhos na Copa: o lateral Cristian Gamboa (Rosenborg), o meia Diego Calvo (Valerenga) e o volante Michael Barrantes, que virou ídolo do Aalesund.

“O Barrantes virou ídolo no Aalesund. Aí já viu, os caras contratam costarriquenhos achando que vão ser o novo Barrantes. Ele tá lá desde 2010. É o maior ídolo do clube. Em 2011 ele deu o segundo título do time, o da Copa da Noruega, marcando os dois gols na final”, conta Marcelo Costa, administrador do blog Futebol Central.

A lista de “escandinavos” conta também com o meio-campo Christian Bolaños, do Copenhagen e do também meio-campo Celso Borges, do AIK Solna. A lista atual têm cinco nomes, mas outros quatro já passaram pela ligas nacionais do norte europeu: os zagueiros Giancarlo González (Valerenga, Noruega – 12/13), Roy Miller (Bodo/Glint, Noruega – 05/08, Rosenborg, Noruega – 08/09 e Örgyte, Suécia – 09) e Dave Myrie (Fredrikstad, Noruega – 11); e o atacante Randall Brenes (Bodo/Glint, Noruega – 05/08) e Kongsvinger, Noruega – 08/09).

A Tippeligaen, a liga norueguesa, conta com seis costarriquenhos. Além dos três mundialistas, o Start conta com outros três locais, todos com passagem pela seleção, desde a base até a equipe principal. Bolaños é o único da liga dinamarquesa, enquanto na liga sueca, além de Celso Borges, o zagueiro Christopher Meneses joga pelo IFK Norrköping.

Essa internacionalização contribuiu com a seleção. Apesar de não estarem em grandes centros da Europa, Los Ticos garantiram vaga a Copa do Mundo com tranquilidade, com uma base de “escandinavos”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s