Revista Série Z CONTEXTO,LADO B,MUNDO Copa do Mundo na TV aberta brasileira: os jogos mais alternativos transmitidos ao vivo

Copa do Mundo na TV aberta brasileira: os jogos mais alternativos transmitidos ao vivo



Anúncios

Quem teve a oportunidade de acordar pouco antes das 7 horas e ficou até as 18h vendo as quatro partidas do dia das duas primeiras rodadas da Copa do Mundo 2022, com certeza, aproveitou. Não importava qual jogo fosse, mesmo que você não seja um adepto do Futebol Alternativo. A oferta atual da TV aberta em Copas é completa, com todas as partidas transmitidas, exceto pelas oito que ocorrem simultaneamente no terceiro jogo.

Obviamente, nem sempre foi assim e os jogos de grandes seleções eram foco das transmissões, além, claro da seleção brasileira. Em 1970, o Brasil pôde ver jogos ao vivo de uma Copa do Mundo pela primeira vez. O número de partidas ao vivo ou em videotape foi aumentando gradativamente: 11 em 1970, oito a mais quatro anos depois e chegou a 27 dos 38 em 1978. Em 1982, a Globo fez um investimento que assustou até as emissoras de fora, mantendo a maioria das transmissões em tempo real. Em 1986 e 1990, a Copa ainda contava com pelo menos um horário com dois jogos na etapa inicial. Foi em 1994 que a FIFA adotou o modelo atual, com todos os jogos das duas primeiras rodadas e todo mata-mata em horários diferentes, com a última rodada da fase de grupos com jogos simultâneos.

Com base nisso, a Revista Série Z traz os jogos mais alternativos com transmissão ao vivo em TV aberta em toda história das Copas, com foco na fase de grupos, pois o mata-mata é interessante para as TVs por serem o que são, mas tivemos uma exceção na nossa lista. Nos casos de 1982, 1986 e 1990 vamos usar a lógica de partidas alternativas que ocorreram sem concorrência para afirmar que foram transmitidas. A partir de 1994, os relatos ficam completamente fiéis.

Anúncios

1982 – Honduras 1×1 Irlanda do Norte (Globo)

Aqui, usamos a lógica, pois foi o único jogo das 17h15 (sempre horário de Brasília) do dia 21 de junho. A emissora transmitiu em VTs apenas os jogos que ocorriam no mesmo horário de outro.

1986 – Bulgária 1×1 Coreia do Sul (Band)

Além da Band, mais três emissoras passaram a Copa, mas foi a única que transmitiu todas as partidas ao vivo em horários únicos, como esse às 19h do dia 5 de junho.

1990 – Costa Rica 1×0 Escócia (Globo, Manchete, Band e SBT)

Apesar dos escoceses terem experiência em Copas, com a sétima participação, nunca passaram da primeira fase e tiveram um debutante como adversário na primeira rodada, a Costa Rica. Na Globo, Galvão Bueno e Raul Plassmann comandaram a transmissão. Foi a primeira Copa de Galvão como narrador dos jogos do Brasil, mas acabou fazendo esse, pois era do mesmo grupo.

Na Manchete, a transmissão teve Paulo Stein como narrador. Band e SBT, também, transmitiram, mas não encontramos registros em vídeo.

Anúncios

1990 – Irlanda 0x0 Egito (Band, Globo, Manchete e SBT)

Almoço de domingo, 13 horas, dia de Copa do Mundo e um glorioso Irlanda x Egito na televisão. Esse foi o jogo do dia 17 de junho. As quatro emissoras transmitiram a partida, mas encontramos apenas o registro em áudio da narração de Marco Antônio Mattos e comentários de Rivelino na Band. Sobre as seleções, a Irlanda disputava a primeira Copa e vinha de um empate por um gol no clássico contra a Inglaterra. O mesmo placar ocorreu com o Egito contra a Holanda na volta da seleção africana 56 anos depois.

1994 – Coreia do Sul 0x0 Bolívia (Band)

Três emissoras transmitiram a Copa do Mundo de 1994, a Globo, SBT e Band, sendo que a última foi a única que passou todos os jogos ao vivo possíveis. A Bolívia não é uma seleção estranha para brasileiros verem na TV aberta, pois sempre enfrenta o Brasil em Eliminatórias e/ou Copa América, mas escolhemos esse confronto pelo encontro diferente com uma seleção asiática

1994 -Nigéria 3×0 Bulgária (Band)

Nos Estados Unidos, a Bulgária disputou a sexta Copa da história, mas não tinha nenhuma vitória até essa edição onde chegou na semifinal. O início foi complicado com derrota para a estreante Nigéria. Às 20h30 do dia 22 de junho, a Band, seguramente, transmitiu a partida com narração de Marco Antônio Mattos e comentários do grande Tostão.

Anúncios

1994 – Arábia Saudita 2×1 Marrocos (Band)

Um confronto árabe em plena noite de sábado. Esse foi o aperitivo para quem ficou em casa para ver o segundo jogo da dupla que havia perdido na estreia. Era a terceira participação africana, enquanto os sauditas debutavam. A Band escalou Marco Antônio Mattos e Júlio Mazzei para a transmissão.

1998 – Noruega 2×2 Marrocos (Globo e Band)

Cinco emissoras transmitiram a Copa de 1998. A segunda partida da competição foi um encontro do grupo do Brasil que abriu a Copa. As duas seleções, pela primeira vez, disputavam um Mundial pela segunda vez seguida. Foi a terceira e última participação norueguesa, enquanto os marroquinos vinham para o quarto torneio. O encontro entre Tore Andre Flo e Mustapha Hadji. Na Globo, Cléber Machado foi o narrador e, provavelmente, estava acompanhado de Casagrande.

1998 – Estados Unidos 1×2 Irã (Globo e Band)

Um dos jogos mais emblemáticos da história das Copas ocorreu em 21 de junho de 1998. Rivais históricos nas questões geopolíticas, Irã e Estados Unidos foi transmitido em TV aberta para o Brasil. O Irã retornava à Copa após 20 anos e os americanos estavam na terceira seguida após quatro décadas sem participação. Na Band, Jota Júnior, hoje na SporTV, foi quem narrou a partida, enquanto Galvão Bueno comandou a partida na Globo, que foi vencida pelos persas no chamado Jogo da Paz.

Anúncios

2002 – África do Sul 1×0 Eslovênia (Globo)

Exclusiva do Grupo Globo, a Copa do Mundo de 2002 teve jogos às 3h30 e foi nesse horário que ocorreu o encontro entre África do Sul, que estava na segunda disputa, e Eslovênia, debutante, pela segunda rodada do Grupo B, no sábado, dia 4 de junho! Siyabonga Nomvethe fez o gol sul-africano na primeira das duas vitórias da seleção – a outra foi contra a França, em 2010, quando foi sede. Luis Roberto, que não viajou à Ásia, narrou diretamente do estúdio carioca.

2002 – China 0x2 Costa Rica (Globo)

O grupo do Brasil tinha três equipes alternativas, com a Costa Rica e Turquia disputando pela segunda vez e a China, que estreava. Mesmo que a partida das duas primeiras seleções tenha sido transmitida, também, ficaremos com o encontro entre a Concacaf e Ásia, que aconteceu às 3h30 de uma terça-feira. Os centro-americanos venceram com dois gols narrados por Luis Roberto.

2006 – Togo 1×2 Coreia do Sul (Globo)

Um relato pessoal para esse jogo. No começo de junho de 2006, servidores públicos de Maringá (PR) entraram em greve. Esse nobre editor estudava pela manhã em uma escola municipal, que em vários dias liberou os alunos mais cedo pela adesão de alguns professores. Por sorte, morava a um quarteirão do colégio. Liberado no intervalo, cheguei em casa e pude acompanhar o grandioso Togo x Coreia do Sul, primeira rodada, que teve os africanos saindo na frente, com Kader, mas tomando a virada para trauma desse que escreve. Luis Roberto comandou a transmissão na Globo.

Anúncios

2006 – Arábia Saudita 2×2 Tunísia (Globo)

Um dia depois da partida supracitada, mais um jogo sensacional. Em pleno horário de almoço de uma quarta-feira, Arábia Saudita e Tunísia entregaram tudo em uma partida muito movimentada definida nos acréscimos da etapa final. Rogério Corrêa, na primeira Copa como narrador na Globo, e Sérgio Noronha transmitiram.

2010 – Argélia 0x1 Eslovênia (Globo e Band)

Domingo, 8h30, dia 13 de junho e o jogo era Argélia e Eslovênia. Que coisa linda! Sem exclusividade, a Band voltou a transmitir junto com a Globo, e as duas passaram a primeira e única vitória eslovena em Copas, com o gol de Koren. Na Globo, Rogério Corrêa e Paulo Roberto Falcão comandaram. Não encontramos a equipe escalada pela Band.

2010 – Eslováquia 1×1 Nova Zelândia (Globo e Band)

Para esse autor nenhum jogo transmitido de Copa do Mundo em TV aberta foi tão alternativo quanto Eslováquia e Nova Zelândia, membros do grupo que tinha a então campeã Itália. Para melhorar, a partida foi às 8h30 de uma terça-feira. Robert Vittek abriu o placar, mas o zagueiro Winston Reid, um dos melhores da história da Nova Zelândia, fez aos 48 minutos do segundo tempo. Luis Roberto e Caio Ribeiro transmitiram pela Globo. Não encontramos quem fez a partida pelo veículo paulista.

Anúncios

2014 – Costa Rica (5) 1 x 1 (3) Grécia (Globo e Band)

Em 2014, a Bósnia-Herzegovina enfrentou o Irã, que poderia estar aqui, mas a partida foi no mesmo horário de Argentina e Nigéria, que foi passado na TV aberta. Até pensamos em colocar Honduras x Equador ou Argélia x Coreia do Sul (um jogaço), mas abrimos uma exceção para o Costa Rica x Grécia que ocorreu nas oitavas. Um mata-mata que foi totalmente inesperado, ainda mais pelo grupo com três campeãs mundiais que os Ticos lideraram. O jogo foi cheio de emoção, com a dificuldade da Costa Rica em assumir um protagonismo contra a retranca grega. Cléber Machado e Roger na Globo e Ulisses Costa e Pedrinho na Band foram os responsáveis por dar voz ao histórico jogo.

2018 – Nigéria 2×0 Islândia (Globo)

A Copa do Mundo 2018 tinha potencial com jogos entre Arábia Saudita x Egito e Tunísia x Panamá, mas ocorreram na última rodada e não foram passados na TV aberta. Sendo assim, a partida que melhor representou o Futebol Alternativo na Globo foi Islândia x Nigéria. Depois do fantástico empate contra a Argentina na estreia, os islandeses foram confiantes para a partida, mas Ahmed Musa colocou fim a isso com dois gols. Luis Roberto, figurinha carimbada aqui, e Roger Flores comandaram a transmissão da emissora de Jacarepaguá.

2022 – Catar 0x2 Equador (Globo)

Sem Galvão Bueno, que contraiu COVID dias antes da viagem para o primeiro Mundial no Oriente Médio, Luis Roberto, ao lado de Caio Ribeiro e Roger Flores, fizeram a partida inaugural da Copa do Mundo de 2022. Catar e Equador até poderiam ter se enfrentado na Copa América que os asiáticos foram convidados em 2019, mas quis o sorteio que fosse no dia 20 de dezembro de 2022.

2022 – País de Gales 0x2 Irã (Globo)

Não tem como não colocar uma seleção que estava fora há 64 anos e outra que é presença recorrente neste século, mesmo com pouco sucesso, nesta lista. Às 7h da manhã de uma sexta-feira acordamos felizes para conferir esse confronto, que caminhava para um empate sem gols até que o Irã fizesse dois nos grandiosos acréscimos dado por um árbitro guatemalteco (o combo perfeito). A estreante (e histórica) Renata Silveira narrou e a dupla Richarlyson e Formiga comentou.

Para produzir esse texto, usamos como referência, o especial da Trivela “As Copas na televisão brasileira: todos os textos da série especial”, escrito por Felipe dos Santos Souza e uma consulta com Allan Simon, jornalista especializado na cobertura de mídia esportiva, sobre a primeira Copa com todos os jogos possíveis sendo transmitidos ao vivo.

Deixe uma resposta

TopBack to Top
%d blogueiros gostam disto: