Revista Série Z BOLA DE CAPOTÃO,PAÍS DE GALES Elogiado por Pelé, fumante pré-jogo e ídolo do Northampton Town: quem foram os jogadores do País de Gales na Copa de 1958?

Elogiado por Pelé, fumante pré-jogo e ídolo do Northampton Town: quem foram os jogadores do País de Gales na Copa de 1958?



Anúncios

Quando o País de Gales entrar em campo no dia 21 de novembro de 2022 contra os Estados Unidos serão completados 64 anos, cinco meses e dois dias da última partida da nação em uma Copa do Mundo, em 19 de junho de 1958, quando o Brasil com gol de Pelé eliminou os britânicos nas quartas de final do Mundial da Suécia.

Desde então, grandes jogadores surgiram, mas faltava o mais importante: um time para ajudar um craque. Gareth Bale é importante, excelente, mesmo em queda, mas não só dele que se faz o atual time, algo que lembra bem o time de 1958 que tinha um craque, mas era rodeado por bons valores.

Mesmo assim, a sorte esteve do lado, pois a equipe ficou na vice-liderança da chave nas Eliminatórias da Europa para a disputa. Uma vaga para a repescagem intercontinental seria resolvida em um sorteio. Sim, um sorteio. Gales foi contemplada com a chance de enfrentar Israel, que chegou ao jogo com uma série de desistências da África e Ásia.

Jimmy Murphy era o treinador da seleção. Ele que comandou o Manchester United simultaneamente. Chamou os 22 jogadores exigidos pela FIFA, com três goleiros. A convocação dele teve jogadores do Cardiff City (cinco) e Swansea Town, atual City (três), com a predominância da liga inglesa e um atuante na Itália. Na época, a dupla galesa já fazia parte da pirâmide do futebol da Inglaterra, o que acabou sendo a primeira convocação de uma seleção sem jogadores da liga local em Copas.

Como dito acima, País de Gales fez parte da trajetória do tricampeonato brasileiro. O gol de Pelé se tornou inesquecível para ele e para a nação britânica. Na autobiografia publicada em 1977 “My Life and the Beautiful Game”, Pelé recordou de vários dos adversários. “Lembro-me muito bem de alguns jogadores galeses que enfrentei; será difícil esquecer [. . .] o excelente jogo de homens como Hopkins, Bowen, Stuart Williams, Sullivan e, principalmente, o goleiro inspirado Jack Kelsey. Essa saga, também, rendeu um livro para os galeses, intitulado “When Pelé Broke Our Hearts: Wales & the 1958 World Cup”, na tradução livre “Quando Pelé partiu nossos corações: País de Gales e Copa do Mundo de 1958”.

Dos 22 jogadores daquele plantel, apenas quatro continuam vivos e a Revista Série Z foi lá atrás para contar resumidamente a história de cada um.

Harrington (que não foi chamado), Williams, John Charles, Kelsey, Hopkins, Ivor Allchurch, Mel Charles (em pé), Medwin, Hewitt, Bowen and Cliff Jones
Anúncios

Jack Kelsey – cinco jogos

Quando disputou a Copa do Mundo, o goleiro tinha 28 anos e atuava no Arsenal, único clube da carreira. Nos Gunners, se tornou o 30º jogador com mais partidas na história da equipe, onde atuou entre 1949 e 1963. A carreira dele foi interrompida por uma lesão nas costas quando tentou tirar uma bola em uma dividida com o atacante Vavá em um amistoso entre Gales e Brasil.

Stuart Williams – cinco jogos

Ao lado de quatro ingleses, o zagueiro fez parte da primeira convocação de jogadores do West Bromwich para uma Copa. Ele teve 12 anos de clube, o segundo na carreira. Nos anos 1970, teve curta carreira de treinador e se estabeleceu posteriormente como vendedor de pneus e controlador financeiro de uma empresa de transporte.

Mel Hopkins – cinco jogos

O lateral-esquerdo tinha 23 anos e estava na sexta temporada de Tottenham, primeiro clube da carreira. Um ano depois da Suécia 1958, sofreu uma lesão grave no nariz e maxilar superior que o afastou dois anos do futebol.

Derrick Sullivan – quatro jogos

O primeiro jogador do Cardiff City a aparecer aqui é o zagueiro Sullivan, que tinha 27 anos e atuava há 11 anos no clube. Atuou por mais quatro equipes após sair do time e 1961. Foi o primeiro jogador do elenco a falecer, aos 53 anos, em agosto de 1983.

Mel Charles – cinco jogos

Agora é a hora do primeiro do Swansea City aparecer, o polivalente Mel Charles, o 38° jogador com mais partidas pelo clube e o sexto mais jovem do elenco galês em 1958, com 23 anos. Ele foi elogiado por Pelé como um dos principais zagueiros da competição. Atuou em mais seis equipes, incluindo Arsenal e Cardiff City. Mel Charles tem histórias curiosas, como o casamento triplo ao lado de dois companheiros de Swansea e suas respectivas noivas e uma vida financeira complicada no pós-carreira com várias funções, incluindo comerciante de batatas.

Anúncios

Dave Bowen – cinco jogos

Capitão da seleção em 1958, Dave Bowen é o grande nome da história do Northampton Town, seja como jogador e, principalmente, treinador. Foi o clube que o formou até acertar com o Arsenal, clube que estava quando convocado. Um ano depois do Mundial, ele se aposentou aos 31 anos – detalhe que era o mais velho do elenco. Assumiu o Northampton e conseguiu sair da quarta à primeira divisão inglesa em cinco temporadas, quando disputou a elite em 1965/66, a única na história do clube. Ainda treinou a seleção entre 1964 e 1974.

Terry Medwin – quatro jogos e um gol

O gol mais importante de Gales na única Copa foi dele. Aos 76 minutos da partida desempate contra a Hungria, ele fez o gol da virada que garantiu a vaga nas quartas. Teddy era atleta do Tottenham e esteve na última conquista do Campeonato Inglês do clube em 1960/61. É o primeiro da nossa lista que continua vivo, com 90 anos completados em setembro.

Ron Hewitt – três jogos

Se tornou o nômade do elenco galês ao atuar em 13 clubes diferentes na carreira de 23 anos. Aos 29 anos, era jogador do Cardiff City, quando foi contratado por sete mil libras e foi artilheiros nas duas temporadas de clube.

John Charles – quatro jogos e um gol

Antes de Ian Rush, Mark Hughes, Ryan Giggs e Gareth Bale, o grande jogador de País de Gales foi John Charles, o único convocado para 1958 que atuava fora do Reino Unido, era jogador da Juventus, recém-campeão da Serie A, onde foi artilheiro. Ele fez o primeiro gol galês em Mundiais no empate contra a Hungria na primeira partida. Os últimos sete anos de carreira foram bem alternativos. Entre 1967 e 1971, ele foi jogador e treinador do Hereford United, enquanto entre 1972 e 1974 ocupou as funções de atacante e diretor do Merthyr Tydfil. Ele era irmão de Mel Charles.

Ivor Allchurch – cinco jogos e dois gols

Será que alguém na edição 2022 conseguirá fazer três gols para Gales? Se sim, ele ultrapassará Ivor, que fez dois gols em 1958, ambos contra a Hungria, seja no empate da segunda rodada e o que igualou o jogo desempate. Em duas passagens pelo Swansea City, com 14 anos de atividade, ele se tornou o maior artilheiro do clube com 166 gols. Em 2005, ele ganhou uma estátua em frente ao estádio do alvinegro, oito anos depois da morte dele.

Cliff Jones – cinco gols

Aos 87 anos, Cliff poderá ver o retorno de Gales ao Mundial. O ex-ala faz parte do Hall da Fama do Tottenham, clube que se transferiu logo após o Mundial, após seis anos de Swansea City, aos 23 anos. Participou de todas as partidas. Ao se aposentar, se dedicou a educação sendo professor de educação de física e gerente do time de futebol da Highbury Grove School, além de ter ganhado uma bolsa honorária da Universidade do País de Gales.

Anúncios

Ken Jones

Segundo goleiro do elenco, Ken atuava no Cardiff City, estava com 22 anos e na primeira temporada no time profissional. Depois da Copa, onde não atuou, acertou com o Scunthorpe United, onde se tornou para muitos, o melhor goleiro da história da equipe.

Graham Vearncombe

O Cardiff teve dois goleiros chamados para a Copa. O segundo foi Graham, que estava no clube desde 1952, mas foi reserva de Jones durante a temporada. Foi uma temporada atípica, tanto que se tornou o quarto goleiro com mais jogos no Cardiff, com 241 partidas.

Anúncios

Trevor Edwards

O lateral era o segundo mais jovem do elenco em 1958, com 21 anos e cinco meses. Era atleta do Charlton, a primeira Copa com convocados do clube – John Hewie, da Escócia, foi o outro. Depois de jogar no Cardiff City, ele partiu para a Austrália, em 1964, para atuar no Sydney Hakoah (onde foi campeão da Australia Cup em 1965 e 1968), Melita Eagles e Marconi. Ele está vivo, mas não encontramos informações sobre onde reside atualmente.

Colin Baker – um jogo

Sem Sullivan, machucado na estreia, Baker foi titular na partida contra o México, onde quase fez um gol e se lesionou no fim do jogo, ficando fora do restante da campanha. O ala fez toda carreira no Cardiff City, o que o torna o 13º jogador com mais partidas no clube.

Vic Crowe

Pela primeira vez, o Aston Villa teve jogadores chamados para um Mundial, sendo que um deles era o ala Crowe, que não entrou em campo. Com 351 jogos, ocupa a 19ª colocação entre os que mais tiveram jogos pelo clube. Ele se aventurou na NASL, quando defendeu o Atlanta Chiefs entre 1967 e 1969. Um ano depois, se tornou treinador do Aston e, retornou, aos Estados Unidos por duas vezes para comandar o Portland Timbers.

Ken Leek

Os registros de elencos dos Mundiais dão conta que Ken Leek era jogador do Leicester City quando convocado para a Copa de 1958. Porém, ele não jogou no clube antes disso, pois em maio daquele ano, ele foi vendido pelo Northampton Town por 10 mil libras e só estreou em agosto.

Roy Vernon – um jogo

Com 21 anos, o atacante era o mais novo do elenco. Esteve no empate sem gols contra a anfitriã Suécia na última rodada da primeira fase. Era jogador do Blackburn quando chamado, mas foi no Everton que se tornou inesquecível, com os 111 gols feitos, o sexto maior artilheiro, e pela saída “conturbada” do clube. Vernon era costumeiramente visto fumando na entrada para as partidas. Teve três passagens inusitadas: Cape Town City e Hellenic, da África do Sul, e Cleveland Stokers, dos Estados Unidos.

Colin Webster – três jogos

Um problema de saúde fez com que o atacante não estivesse no episódio do desastre aéreo de Munique com o avião que levava o elenco do Manchester United até a cidade alemã. Quatro meses depois, ele pôde estar na Suécia com a seleção, um verdadeiro título para ele, além das duas taças nacionais com os Diabos Vermelhos nos anos 1950, início do processo de elevação do tamanho do clube. Pós-carreira, teve um emprego alternativo: dono de uma empresa de andaimes.

Anúncios

John Elsworthy

Meia-esquerda, o galês foi o primeiro jogador do Ipswich Town em uma Copa do Mundo. Ele defendeu apenas esse clube, com 16 anos, 396 partidas e 44 gols, onde foi campeão inglês em 1961/62 e ocupa a oitava colocação entre os que mais atuaram pela equipe.

Len Allchurch

É irmão de Ivor e dá para dizer que a família tem uma boa porcentagem na história do Swansea City. Ivor é o maior artilheiro e Len é o sexto com mais partidas, com 502 aparições. Nunca tomou um cartão amarelo em toda a carreira, mesmo que atuasse como ponta. Depois do futebol, foi hoteleiro e administrou um negócio de artigos de couro. Dos jogadores falecidos da campanha, ele é o que morreu há menos tempo, em 1º de novembro de 2016 aos 83 anos.

Thomas George Baker

Tom é dos jogadores daquele elenco que teve uma carreira mais alternativa! Fez história para o Plymouth Argyle, pois foi o primeiro jogador do time verde a ser chamado para uma Copa do Mundo – algo que voltou a ocorrer apenas em 2010 com Rory Fallon, da Nova Zelândia. Não teve tantas chances na seleção após a Copa. É mais um atleta que poderá ver o retorno de Gales ao Mundial.

Deixe uma resposta

TopBack to Top
%d blogueiros gostam disto: