Os melhores da quarta divisão: a Seleção da Série D 2020

Anúncios
Anúncios

Chegou ao fim, a edição 2020 do Brasileiro Série D, que marcou a maior cobertura feita pela Revista Série Z na história, com a linha do tempo, o guia, as seleções das rodadas, textos especiais em três fases de mata-mata e a nossa entrada no Quarta Categoria, o podcast exclusivo sobre a competição. Para selar essa temporada que terminou com o título do Mirassol, nós trazemos a Seleção da Série D, os melhores jogadores da competição.

A escolha foi feita com a ajuda dos redatores do Guia da Série D 2020, convidados especiais e a votação do público, totalizando 23 pontos. Além de Felipe Augusto, editor da Revista Série Z, participaram os seguintes colaboradores do nosso guia: Abel Angelim (Almanaque Cajuína), Alexandre Almeida (Futebol do Norte), Breno Modesto (Futebol de Goyaz e O Hoje), Camila Leonel (A Crítica), Élison Silva (Voz da Torcida e Quarta Categoria), Felipe Soares (Almanaque Cajuína), Gian Nascimento (Arquibancada MS), Ícaro Carvalho (Jovem Pan News Natal e Tribuna do Norte), José Carlos Borges (Esporte do RN), Luís Francisco Prates (2 Lances), Marcos Barcelos (Temos Futebol e Quarta Categoria), Matheus Silva (@sigaCopaVerde), Pedro Hara (CBFTV), Rener Lopes (Esportes Brasília), Sérgio Oliveira (FATV), Taynã Gomes (VAVEL Brasil) e Victor Cavalcanti (Futebol de Raízes). Foram convidados quatro nomes que acompanharam de perto a competição: os perfis no Twitter @BrasilSerieD e @_SerieD_BR, Allan Brito (Última Divisão) e Emílio Botta (GE.Globo/TV TEM). A votação do público representa o 23º ponto da escolha, com 496 votos durante o processo de escolha.

Alguns pontos merecem menção na nossa seleção que será publicada durante todo o dia. Para a escolha dos zagueiros, o “Zagueiro I” foi o mais votado como melhor da posição, mas para a escolha do segundo teve que ser utilizada uma média nas duas questões dispostas para a posição. Para definir os terceiros melhores meias e atacantes, os mais votados em cada enquete sobre a terceira opção foram escolhidos, pois misturavam dois jogadores taticamente diferentes.

Os 12 melhores nomes da Série D 2020 são os seguintes:

Douglas Dias | Floresta

A posição de goleiro foi a que mais sofreu uma metamorfose na Série D. Até a saída de Rodrigo Calaça, do Gama, ele era apontado como o melhor. Depois disso, foi a vez de Junior Belliato, do Marcílio Dias, que acabou sofrendo cinco gols nas quartas. Nesse período, Douglas Dias foi o mais regular. Ele esteve em 22 das 24 partidas do Verdão da Vila e se mostrou importante em várias partidas.

Vinicius Baracioli | Mirassol


Em um time onde o coletivo e a jovialidade chamaram muita atenção, Vinicius Baracioli dominou a lateral direita do campeão da Série D 2020. Com apenas 20 anos, ele começou a temporada com uma ótima Copinha. Foi estrear apenas na volta do futebol nacional, onde esteve na reserva do célebre jogo contra o São Paulo. Na Série D, se tornou titular absoluto, com 22 jogos e três gols.

Bruno Aguiar | Novorizontino

Na segunda temporada de Novorizontino e segunda Série D pelo clube, Bruno Aguiar fez parte de uma verdadeira Muralha Aurinegra na primeira fase, quando tomou apenas sete gols, a segunda melhor defesa. No mata-mata, o jogo contra o Floresta podia prejudicar, mas o acesso, o mais importante, teve muito da dupla que fez com Edson Silva.

Edson Silva | Novorizontino

Tudo que escrevemos sobre Bruno Aguiar vale o mesmo para Edson Silva, pois formaram a melhor dupla de zaga da competição.

Tiaguinho | Altos

Em uma Série D onde os laterais construtores se destacaram, Tiaguinho foi além disso, com seis gols anotados. Era a principal arma de “desafogo ofensivo” do time de Fernando Tonet, quando o time não conseguia engrenar. Alto, ele se destacou pelas penetrações e ultrapassagens. Vale uma menção honrosa aqui a Fábio Alves, do Floresta, que disputou voto a voto a preferência dos eleitores.

Eduardo | Mirassol

Assim como Vinicius Baracioli, Eduardo é fruto da base mirassolense e das circunstâncias que o clube passou para remontar o time na volta do futebol. Ele foi titular na partida contra o São Paulo no Campeonato Paulista e, desde então, se tornou peça-chave no time de Eduardo Baptista, mesmo que tenha saído em várias partidas. Eduardo entrou na seleção por um desempate, que foi definido pelo jogador com mais indicações como “terceiro meio-campo”.

Albano | Aparecidense

Classudo, elegante e atual! Esse é Albano, o primeiro nome da lista que não conquistou o acesso. Não tê-lo entre os melhores, mesmo perdendo as quartas para o Mirassol, seria difícil, pois fez muito por merecer estar aqui. Ao lado de Renato, do Salgueiro, foi o meia com mais gols: oito. Mas não apenas isso, se destacou pelas assistências, rapidez nas decisões e verticalidade. Tem um futuro promissor, pois tem apenas 23 anos.

Deysinho | Floresta

O mais ofensivo dos meias escolhidos, Deysinho por muitas vezes jogou ao lado do centroavante Flávio Torres, ou seja, um bom nome para variação tática sem precisar mudar jogadores. Rápido e baixo, ele acabou se destacando, também, pelos gols de cabeça que anotou.

Manoel | Altos

Desde 2016 que o Altos disputa a Série D e em todas as oportunidades, Manoel era jogador do clube. Por pouco, ele não chegou a artilharia histórica da Série D, pois tem 26 tentos anotados, um a menos que Nonato. Ele não deve fazer questão de ser o maior agora, pois a Série C será realidade para ele, com o acesso do Jacaré.

Fabrício Daniel | Mirassol

A carreira de Fabrício Daniel foi uma gangorra essa temporada. Começou a temporada pelo Noroeste, onde disputou a terceira divisão paulista. De lá, o Cuiabá o contratou para a disputa da Série B, mas não durou tanto, pois já havia chamado atenção do Mirassol outrora. Chegou, fez 21 jogos e 11 gols, vice-artilheiro da competição.

Zé Love | Brasiliense

O nome mais polêmico da nossa seleção na visão de fora? Talvez! O atacante é o segundo sem acesso nessa lista, mas o único que não chegou nem nas quartas de final. Os 12 gols, artilheiro ao lado de Wallace Pernambucano, na disputa o credenciaram a ser escolhido como terceiro atacante da Seleção da Série D.

Eduardo Baptista | Mirassol

Se o título de craque da competição pudesse ser dado ao treinador, Eduardo Baptista poderia ser favorito. Entre os nomes, ele é o que mais foi votado entre os 23 pontos disponíveis, com 15 indicações, incluindo o voto popular. Como demonstrou em entrevista ao Quarta Categoria, o treinador com histórico e qualidade para a Série A e B mergulhou na competição e foi ousado nas apostas, que deram um resultado formidável: acesso e título.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: