20 histórias do Rentistas, campeão do Apertura Uruguaio 2020

Anúncios

O ano de 2020 é marcante para a nossa geração. Em meio a todo caos que vivemos, coisas boas sempre acontecem e o futebol está aí para provar essa teoria. No Uruguai, o futebol local é dominado pela dupla Nacional e Peñarol, com alguns títulos de Defensor e Danubio, mas a quarta-feira, dia 14, reservou um momento muito alternativo, o título do Rentistas em cima do Nacional na prorrogação no jogo desempate. É a maior conquista do clube fundado em 1933, que tem sete acessos à primeira divisão, incluindo 2019. Aqui você confere 20 curiosidades da equipe, um número cabalístico referente ao ano que estamos.

View this post on Instagram

Campeones!!!!!!!!

A post shared by Rentistas SAD (@rentistassad) on

Campeão em quatro divisões diferentes

O título do Apertura 2020 não é considerado como título uruguaio, pois ainda teremos um encontro com o campeão do Clausura e o com maior pontuação geral, mas a taça faz com que a equipe se torne o único clube do país com títulos nas quatro divisões do país, sendo que a quarta divisão que o Colorado venceu não existe mais.

Da segunda divisão ao título uruguaio

Era 14 de dezembro de 2019, quando o Rentistas entrou em campo para receber o Villa Española na final do playoff da segunda divisão uruguaia. Exatos dez meses depois, o clube conquistou o Apertura. Uma grande reviravolta! Quando sacramentou o acesso, Bernardo Long, Andrés Rodales, Damián Malrechauffe, Maximiliano Falcón, Matías Abisab, Gonzalo Veja e Cristian Olivera estavam em campo. Além deles, Nicolás Rossi e Bryan Bautista foram reservas no confronto. Alejandro Cappuccio era o treinador. Todos esses citados continuaram para fazer história.

Os títulos da segunda divisão

Anúncios

Desde 1903 que o futebol uruguaio conta com uma segunda divisão com nomenclaturas que mudaram com o tempo. Apesar de ter quatro títulos do escalão, conquistados em 1971, 1988, 1996 e 2010/11, a equipe é apenas a 11ª colocada em número de taças. Os outros acessos foram conquistados em 2003, 2013 e 2019.

As participações na primeira divisão

A primeira aparição dos Bichos Colorados foi em 1972, onde permaneceu até 1980. A segunda passagem foi entre 1989 e 1992. Depois esteve entre 1997 e 2001. Com Julio Balerio no comando, a equipe figurou neste século ainda em 2004-2007 e 2011-2016, última passagem até retornar para o inédito título. No total, são 27 disputas na elite nacional.

O único título da Terceirona

A pirâmide do futebol uruguaio passou por várias mudanças no decorrer do tempo. A Divisional Intermedia, com essa nomenclatura, já foi segundo e terceiro nível. Em 1966, o clube levantou a taça, a quarta conquista na história e o segundo escalão diferente.

As taças da extinta Divisional Extra

Entre 1942 e 1971, a quarta divisão tinha o nome do subtítulo acima. Juntando todas as fases da competição, o Rentistas é o maior campeão da divisão, que oficialmente foi desativada em 1978. Os títulos foram conquistados nos longínquos anos de 1949, 1957 e 1963.

O mágico e traumático ano de 1998

Foram 22 anos de espera para vingar a perda do título de 22 anos atrás para o Nacional. Até a conquista de 2020, esta foi a melhor temporada colorada, quando chegou na última rodada precisando apenas de uma vitória contra o Danubio para conquistar o Clausura. Porém, perdeu por 2 a 0, enquanto o Nacional venceu e ficou com mais uma taça nacional.

O recorde de Álvaro Núñez

Álvaro Núñez com a camisa do Numancia, clube que seguiu após jogar no Rentistas

Quando você souber o que o goleiro do Rentistas conseguiu em 1998 irá entender de uma vez por todas, a razão desta temporada ter sido mágica e traumática. Álvaro Núñez ficou 947 minutos sem tomar um gol, porém quando tomou foi na partida contra o Danubio. É a terceira maior marca da história do campeonato local. Ele ficou a 40 minutos do histórico Ladislao Mazurkiewicz, em 1968, quando defendia o Peñarol.

Anúncios

A desistência da Copa Conmebol

A boa campanha no Uruguaio 1998 rendeu ao Bicho Colorado, como é conhecido, vaga na Copa Conmebol de 1999. Na competição, os dois representantes uruguaios se recusaram a participar. O que se tem registro foi pelo pouco interesse na competição. Na primeira fase, o Rentistas iria enfrentar o compatriota River Plate.

O primeiro jogo internacional

O sexto lugar geral na liga nacional de 2013/14 rendeu ao Rentistas a inédita vaga na Copa Sul-Americana de 2014, onde finalmente pode disputar uma competição continental. O adversário na primeira fase foi o tradicional Cerro Porteño. Na primeira partida, no estádio Luiz Franzini, sede “oficial” dos clubes menores uruguaios nas competições sul-americanas, derrota por 2 a 0. Na volta, a equipe quase conquistou a vaga, quando venceu os paraguaios por 1 a 0.

Material esportivo brasileiro

Entre 1998 e 2000, a Topper, marca brasileira, foi a fornecedora de material esportivo do clube.

Os três brasileiros que passaram pelo clube

Cafú – lateral-direito

Do trio tupiniquim que passou pelo Colorado, Cafú é o que mais teve temporadas na equipe: três! Ele esteve no clube entre 2013 e 2015. Segundo o oGol.com, ele nunca teve passagem pelo futebol brasileiro, com 20 anos de futebol uruguaio.

Wanderson Silveira – meia-atacante

Em dez anos de carreira, Wanderson jogou todas no Uruguai. Até mesmo quando saiu para El Salvador, em 2018, ele voltou na mesma temporada. Silveira foi jogador do Rentistas em 2012, quando fez um gol em 21 partidas.

Anderson Silva – volante

O meia foi formado no Sport, mas durou pouco tempo por lá, até acertar com o Nacional, do Uruguai. Passou pela Espanha e foi contratado pelo Everton, da Inglaterra, em 2008, uma das contratações mais sem sentido da Era David Moyes no clube segundo os torcedores. Ele disputou apenas uma partida no clube de Liverpool, como titular, inclusive. De lá, ficou três temporadas no Barnsley. Retornou ao Nacional, chegou a passar pelo Pelotas até acertar com o Rentistas em 2015, quando fez 21 participações.

Rentistas x Nacional (desde 2000)

Neste século, Rentistas e Nacional se enfrentaram 20 vezes, com vantagem para o Decano: 15 a 5. Porém, o retrospecto recente é totalmente favorável ao Rentistas, com três vitórias nos três jogos recentes. As equipes não empataram nenhuma partida neste século. Na década de 1990, o Rentistas chegou a ficar cinco partidas invicto.

Rentistas x Peñarol (desde 2000)

Assim como o rival, o Peñarol, também, enfrentou o Rentistas em 20 oportunidades neste século. Ao contrário do histórico supracitado, o Rentistas tem apenas três vitórias: 3 a 0 (2005), 3 a 2 (2013) e 2 a 1 (2014). Foram 14 vitórias do Carbonero e três empates.

O Complejo Rentistas

O estádio do Rentistas tem dois marcos principais. O primeiro é que ao ser inaugurado, em 1998, se tornou o primeiro estádio localizado no mesmo lugar da sede de uma equipe uruguaio. Vinte anos depois, com apoio da FIFA, a cancha se torna a primeira no país com gramado artificial.

Gustavo Fernández, um colorado na Copa

Quatro clubes uruguaios tiveram apenas um convocado para um Copa do Mundo. O Rentistas é um desses. Em 1974, o goleiro Gustavo Fernández no segundo ano de profissional foi chamado para o Mundial da Alemanha para ser um dos reservas do lendário Mazurkiewicz. Ele saiu da equipe em 1975 para jogar no Sevilla.

O último clube de Diego Aguirre

Hoje, treinador, Diego Aguirre marcou época como jogador do Peñarol, onde foi campeão da Libertadores de 1987. Depois dos Carboneros rodou o mundo, incluindo passagens pelo Brasil, até encerrar a carreira pelo Rentistas, uma passagem sem registros fotográficos encontrados.

Anúncios

O clássico de Cerrito de la Victoria

Cerrito de la Victoria é um bairro de Montevidéu, centro-oeste da capital uruguaio, sede de duas equipes: o Rentistas e o Cerrito, que formam o clássico local. A última vez que se encontraram na elite foi em 2012. Na última temporada, se enfrentaram duas vezes, com uma vitória colorada (1 a 0) e um empate por um gol.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: