Vai começar a Premiership 2019-20

por Luis de Sá Perles, jornalista e administrador do Scotland Football

Dois gigantes e mais dez clubes em busca das melhores colocações em uma liga que evolui a cada temporada

Terá início no sábado, 03 de agosto, mais uma edição da Premiership, primeira divisão escocesa, certame pouco conhecido no Brasil, mas que já teve transmissões recentes na TV brasileira por meio da Fox Sports. No entanto, para quem ama futebol, é muito difícil não ter ouvido falar daquela que é considerada a maior rivalidade deste esporte e que faz parte desta liga. The Old Firm (ou velha firma) Celtic x Rangers, Rangers x Celtic, mais que um jogo, uma guerra ideológica e religiosa, um campeonato à parte, capaz de deixar um GreNal, Vasco x Flamengo ou Corinthians x Palmeiras no chinelo, quando o assunto é rivalidade.

A Liga Escocesa, embora não tenha um grande destaque na Europa, abriga diversos talentos, e nos últimos anos tem se aberto a técnicos que evoluíram os trabalhos de base e noções táticas, aproximando o esporte do país ao modelo inglês. Nela se observa cada vez mais equipes ofensivas, jogos intensos, onde a troca de passe e construção do jogo por baixo é mais valorizada. Técnicos como Brendan Rodgers ex-Liverpool (ficou três temporadas no Celtic), Steven Gerrard (lenda do mesmo clube inglês e há duas temporadas no Rangers) e Steve Clarck (técnico com passagens pelos ingleses Wigan e West Brom), fizeram o sarrafo do football escocês subir. Jogadores qualificados de ligas como a francesa, portuguesa, espanhola, segunda divisão inglesa, croata, atletas africanos e latinos desembarcaram no país e deram um tempero de qualidade aos clubes.

Para esta temporada, Rodgers saiu do Celtic para Leicester (ainda no fim da última liga), sendo substituído por Neil Lennon, Clarck assumiu a seleção nacional e deixou lugar no Kilmarnock para uma incógnita, o italiano Angelo Alessio. Porém das dez equipes restantes nove mantiveram seus treinadores, visando o desenvolvimento do projeto e estilo de jogo implantados. Aberdeen, Heart, Hibernian, Motherwell, Livingston, St. Jonh, Ross County e Rangers seguem com os mesmos chefes. O St. Mirren trouxe JimGoodwin para tentar repetir o milagre que realizou no Alloa Athletic (manteve o clube na segunda divisão escocesa, com o mais baixo orçamento daquela liga em 2018-19).

Desde a falência dos Rangers, que caíram para a quarta divisão em 2012-13 (são oito títulos seguidos dos Hoops, apelido dado ao Celtic), talvez seja esta a disputa mais acirrada. Afinal Steven Gerrard vem realizando um trabalho elogiável nos Gears e com a manutenção de jogadores importantes e um elenco mais recheado, o treinador não esconde sua sede por títulos, especialmente por evitar o nono em sequência do rival. No Celtic o panorama com a volta de Lennon é de incógnita, pois há uma clara ruptura no pensamento de futebol, embora Lennon venha mantendo uma formação próxima a de Rodgers. Ao mesmo tempo, o técnico conhece tudo do futebol local e especialmente de uma atmosfera de Old Firm. Como jogador e treinador. Os reforços experientes, aliados a manutenção de alguns nomes como Édouard, McGregor, Simunovic e Forrest favorecem o Celtic. Porém não há como negar, que nesta temporada a luta pelo título ganha fortes contornos de Old Firm novamente.

Além do título (o campeão vai às fases preliminares da Champions), a competição pode oferecer três vagas para a UEFA Europa League, vice-campeão, terceiro e quarto lugar (caso o campeão da Copa da Escócia, esteja entre os três primeiros). Para esta luta, algumas equipes se apresentam neste início de jornada. O Aberdeen que segue como a terceira força do país em valor de mercado, a dupla da capital Edinburgh: Heart e Hibernian que investiram bastante nesta janela, o Motherwell que fez uma excelente fase de grupos na Copa da Liga e o Kilmarnock, que após um bom ano de 2018-19, tentará repetir o feito, mesmo sem seu treinador Steve Clarck.

Em termos de rebaixamento (o lanterna e 12° lugar é rebaixado enquanto o 11° joga um play-off) a luta é sempre muito equilibrada e neste momento parece estar centralizada por algumas equipes: o St. Mirren que com poucos reforços, perda do treinador e principais peças vem enfraquecido, após se manter na repescagem no ano anterior. O Hamilton, que sempre povoa a parte baixa da tabela, e neste ano vem com bastante mudanças no elenco. O Livingston que após um ano sem sustos, também vem enfraquecido e sem grande aporte financeiro para investimentos. Além da dupla Ross County (campeão da segunda divisão) e o St. Johnstone que vive um instável início de temporada e no ano passado terminou a liga em sétimo.

Muita força física, intensidade, clássicos, revelações, evolução táticas e torcidas apaixonadas, equilíbrio na parte média e baixa da tabela, resultados surpreendentes, muitos gols (a média em 2018-19 foi de quase três gols por jogo). Tudo isso você encontrará na Premiership 2019-20, e a Revista Série Z em parceria com o Twitter @scotlandfootbal vai trazer nesta sexta-feira, 02 de agosto, um guia especial com as contratações, expectativas e momentos dos 12 participantes. Não deixe de conferir e ficar por dentro desta liga que cresce a cada edição em organização, qualidade de jogo e atrações para os amantes do futebol.

Como foi a temporada 2018/19 do futebol escocês? Confira clicando aqui

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close