Tosno: o ascendente meteórico – #DebutantesEuropa

O que você estava fazendo em 2013? O FC Tosno entrava em campo para iniciar a história do clube a partir da terceira divisão russa. Em 2017, a elite russa é a realidade. Fundado em 2008, como clube amador, o Tosno se profissionalizou há quatro anos, venceu a zona oeste da PFL, ficou por três temporadas no segundo escalão, até que em 2016/17 garantiu o acesso com o vice-campeonato. Agora, a ideia é se manter por lá.

Base montada e reforços rastreados

Seja no Brasil, na Rússia ou qualquer outra liga, todos sabem que uma coisa é a segunda divisão, outra é a primeira. O Tosno aposta no planejamento, organização e conhecimento do elenco de Dmytro Parfenov, treinador da equipe desde agosto de 2015, para se manter na primeira divisão, querendo fugir inclusive dos playoffs que a definem. Não será fácil.

Do elenco que conseguiu o acesso boa parte foi mantida. Dos 14 atletas que tiveram mais de 20 partidas na temporada passada, cinco saíram, com as principais perdas sendo o atacante Aleksandr Kutyin (Yenisey Krasnoyarsk) e o goleiro Artur Nigmatullin (Amkar Perm), que tiveram 39 e 38 aparições, respectivamente, os dois com mais partidas. Entre as permanências importantes, o zagueiro sérvio Rade Dugalic, o experiente meia montenegrino Mladen Kascelan e o artilheiro da equipe em 2016/17, o russo Anton Zabolotnyi, que fez 16 gols.

Entre os 13 reforços para a temporada (anunciados até o fechamento do texto), seis disputaram a última edição da Premier League russa. A equipe soube garimpar destaques da segunda divisão, como o goleiro Oparin (Yenisey Krasnoyarsk), o defensor Shakhov (Fakel Voronezh) e o meia Yan Kasaev (Khimki), todos com mais de 30 partidas disputadas.

Um brasileiro, também, é reforço, o volante Anderson Carvalho, que veio do Boavista, de Portugal, onde fez três boas temporadas, após ser comprado junto ao Santos. Entre os reforços de fora, outro destaque é o cabo-verdiano Nuno Rocha, volante que estava no CSU Craiova, da Romênia. Resta saber se a base mantida com os reforços, pelo que parecem, escolhidos a dedo vão dar liga, literalmente.

O craque

Anton Zabolotnyi | atacante, 26 anos

Formado nas categorias de base do CSKA Moskow, Zabolotnyi passou por vários clubes por empréstimo, mas nunca engrenou, com poucos gols, pouco menos de 30 gols em seis temporadas, até que no começo de 2016 foi contratado pelo Tosno, onde anotou, por enquanto, 20 gols. A esperança é que a boa fase seja contínua e agora um patamar acima.

Estádio

Petrovsky Stadium (21.405 pessoas), mas que não pertence ao clube, que se adequa a liga que disputa, pois não tem estádio. Em fevereiro de 2017, a direção do clube divulgou que tem a intenção de construir uma casa própria. O Petrovsky pertence ao Zenit, que passará a atuar na nova arena.

Curtir

Anúncios

Um comentário em “Tosno: o ascendente meteórico – #DebutantesEuropa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s