A grandeza da Série C 1995 em um mapa interativo

O Campeonato Brasileiro Série A de 1979 reuniu 94 clubes. A competição foi utilizada pelo militarismo como forma de satisfazer a população (torcida) com a sensação de estar na elite do futebol nacional. Mas se engana quem pensa que esta edição foi o maior Brasileirão da história.

Em 1995, a Série C tomou o posto de maior Brasileirão já realizado, até então (já que em 2000 foi realizada a Copa João Havelange). Foram incríveis 107 clubes no certame. A terceira divisão nacional reuniu todas as regiões.

“Tinha um lance na época que as últimas divisões de campeonatos profissionais eram abertas. Então entrava todo mundo. Todo mundo mesmo. Tanto que a Série C de 1995 é o maior nacional de todos os tempos, tirando a Copa JH”, comenta o pesquisador de futebol e administrador do blog Jogos Perdidos, Fernando Martinez.

O grande número de equipes, porém não significava calendário pelo ano todo. A primeira fase, por exemplo, foi finalizada em 23 dias, ou melhor, em seis datas. Entre 26 de agosto e 17 de setembro de 1995. A primeira fase contou com 32 grupos, com chaves que contavam com três ou quatro clubes.

“A Série B já era relegada ao décimo plano de importância, imagina a C. Na verdade faziam mesmo por desencargo. A organização era praticamente inexistente. Mas assim, era bagunçado, desorganizado, mas era totalmente democrático. Jogava quem queria. Isso era muito legal”, lembra Fernando, que foi em um jogo que terminou em cai-cai, entre Nacional e Bayer de Belford Roxo, com vitória de 3 a 1 para os paulistas.

Dois clubes por grupo passavam de fase. Os 64 clubes disputavam em jogo de ida e volta até chegarem a final. Daqueles 107 clubes, apenas os dois finalistas conquistaram o acesso a Série B. XV de Piracicaba, campeão e o Volta Redonda foram os dois agraciados. O site Bola na Área tem a tabela completa da edição histórica.

Para mostrar a grandeza da Série C 1995, o Série Z montou um mapa interativo para melhor demonstração, do quão gigante foi aquela competição.

Algumas curiosidades da edição:

Joinville, Chapecoense, Avaí e Figueirense que representam Santa Catarina na Série A de 2015 estavam na Série C 1995;

São Paulo foi o estado com mais representantes, 13 no total. Na sequência, Santa Catarina, com sete. Com seis equipes, aparecem Minas Gerais, Rio de Janeiro, Distrito Federal e Goiás. Espírito Santo e Acre vêm em seguida, com cinco. Com quatro clubes, Paraná, Rio Grande do Sul, Rio Grande do Norte e Tocantins. Pernambuco, Bahia, Ceará, Paraíba, Piauí, Sergipe, Alagoas, Amazonas e Roraima tiveram três. O Mato Grosso, dois; o Mato Grosso do Sul, com um.

Pará e Amapá foram os únicos estados sem representantes;

19 clubes daquela edição estão licenciados ou extintos: Araçatuba, Barra de Teresópolis, Coroatá, Caldas, Batalhense, União Araguainense, Bayer, Itaperuna, Campo Grande, Taveirópolis, Duque de Caxias, Cori-Sabbá, Tiradentes, Caçadorense, Matsubara, União Bandeirante, Planaltina, Kaburé, Progresso…

… além desses casos, há os clubes homônimos que não podem ser confundidos com os atuais clubes, casos do AD Vitória, Brasília, Cascavel EC, Linhares EC e SE Ariquemes;

O Intercap passou a se chamar Paraíso, o Lousano Paulista é o Paulista e o SE Ceilandense é o atual Atlético Ceilandense;

O Fluminense de Feira de Santana foi eliminado na primeira fase, com dez pontos. Um ponto a mais que o Flamengo do Piauí que chegou a terceira fase da competição;

Andirá e Caçadorense não conquistaram nenhum ponto;

O Alecrim não fez nenhum gol, mas conseguiu um ponto;

A maior goleada foi aplicada pelo Lousano Paulista contra o Bayer de Belford Roxo: 7 a 0;

Oito clubes disputaram a segunda divisão estadual e a Série C 1995 no mesmo ano: Villa Nova, Bayer, Barra, Inter de Limeira, Ituano, Nacional, Botafogo (SP) e Santo André…

… e a história melhora, já que cinco clubes paulistas disputaram a Série A-3 Paulista no mesmo ano: Paulista, Mirassol, Atlético Sorocaba, Marília e Francana;

A competição contou com 384 jogos e 867 gols;

O XV de Piracicaba foi rebaixado no Paulistão, mas conseguiu o título da Série C;

O Campeonato Maranhense teve oito equipes e cinco destas disputaram a divisão. Mesmo caso do Acre;

5.383 km. Essa seria a distância entre um possível jogo entre Brasil de Pelotas e Baré ou Atlético Roraima. De carro seriam precisas 74 horas de estrada. De avião, seriam 21 horas e 50 minutos de voo.

São poucos os registros em vídeo. No Youtube, o que se encontra são esses dois exemplos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s