No jogo sem prognóstico, Maccabi Tel-Aviv vence o Gyori ETO

Tarde de quarta-feira e a internet oferece a possibilidade de ver jogos escondidos pelo mundo. Nada melhor que acompanhar a segunda fase preliminar da Liga dos Campeões, em campo os últimos campeões nacionais da Hungria e Israel, Gyori ETO e Maccabi Tel-Aviv, em um dos jogos mais equilibrados desta fase. Os israelitas venceram por 2 a o, fora de casa, placar que o torna virtual classificado para a próxima fase.

Para quem acompanha a fase de grupos da Liga deve estar acostumado com o hino da Champions, as placas publicitárias e o placar que aparece na tela dos televisores referente à  competição. Todo esse charme não é visto nas fases preliminares. Infelizmente diga-se de passagem.

Deixando o clima de “Is Champions” de lado, o nível técnico da partida foi bom. É complicado fazer uma análise em cima de uma única partida, sem analisar os jogos anteriores.

Dentro de campo o 4-3-3 foi visto dos dois lados, mas com propostas diferentes dentro de campo.

As duas equipes utilizaram o 4-3-3, mas com linhas diferentes, principalmente no meio-campo e ataque.
As duas equipes utilizaram o 4-3-3, mas com linhas diferentes, principalmente no meio-campo e ataque. Clique na imagem para aumentar.

Como visto acima, o meio campo húngaro não acompanhava o ataque. Kink começou como centroavante, mas logo trocou de posição com Koltái.

Pelo lado israelita, um esquema mais ofensivo. O ataque chegava a ter 7 ou 8 jogadores, enquanto o Gyori aceitava e acabava inoperante em certos momentos, dependendo de ligações diretas.

O Maccabi começou melhor, apostando na aproximação do meio-campo com o ataque. Nos primeiros 15 minutos, os húngaros ficaram recuados, após a pressão conseguiram sair, mas o trio de ataque atuava isolado, o meio não aproximava.
Primeiro tempo terminou sem gols, com o Maccabi um pouco melhor em campo.

O nível, como dito anteriormente foi bom, mas os treinadores não mostraram algo diferente, no segundo tempo, os treinadores Jószef Farkas (Gyori ETO) e Paulo Sousa (Tel-Aviv) fizeram todas as substituições, mas nenhuma tática, aquele popular “seis por meia dúzia”.

Sem reais mudanças táticas, o Maccabi foi superior em todo segundo tempo. Aos 26, Itzhaki abriu o placar. No último minuto, Alberman fechou o placar.

Pelo lado húngaro vale destacar o goleiro Kamenar, com grandes defesas evitou um placar mais “elástico”. Na linha, o ponta esquerda Varga foi o mais perigoso.

Itzhaki, baixo e rápido mostrou grande habilidade, sendo o melhor em campo. Destaque também para Yeini, Alberman e Altman.

Print para mostrar realmente que assisti essa boa partida.
Print para mostrar realmente que assisti essa boa partida.

About the author

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: