A mais estrangeira das seleções

Quem nunca estranhou um jogador com nome brasileiro jogando por um país de idioma estranho. É comum ver em algumas seleções um ou dois jogadores, como por exemplo, a Croácia, que conta com os brasileiros Eduardo da Silva (atacante- Shakhtar Donetsk) e Sammir (meia- Dinamo Zagreb). Em outros casos tem os “nomes” diferentes, mas que tem descendência do país, como por exemplo, os “poloneses” Podolski e Klose que jogam pela Alemanha.

Esses casos são comuns, mas nada se compara a seleção da Guiné Equatorial, que extrapola o bom senso com um número de jogadores estrangeiros grande. Poucos conhecem realmente o país. Alguns acabam jogando  por clubes do país, para servir de “desculpas” para a naturalização.

Bandeira da Guiné Equatorial, que é representada por brasileiros, espanhóis, colombianos etc na sua seleção de futebol.

Essa prática vem antes mesmo da Copa das Nações Africanas de 2012, onde o país foi uma das sedes da competição junto com o Gabão. Nessa competição, a seleção local contou com apenas 2 jogadores nascidos no país.

A tentativa de naturalização não surtiu grandes efeitos, a seleção é a última colocada do grupo B das Eliminatórias Africanas, com 5 pontos, em um grupo que conta com Tunísia (classificada para os play-offs finais), Cabo Verde e Serra Leoa.

Neste domingo (16), pela quinta rodada das eliminatórias, a Guiné Equatorial recebeu a Tunísia, em Malabo. A partida terminou empatada em 1 a 1, com gol do espanhol Juvenal.

A escalação nesse jogo foi bem estrangeira: Danilo (Brasil); Kily (Espanha), Mbele (Guiné Equatorial), Jimmy Bermúdez (Colômbia) e Sipo (Espanha); Rincon (Brasil), Juvenal (Espanha) e Dio (Brasil); César Rivas (Colômbia), Randy (Espanha) e Jonatas Obina (Brasil).

O time reserva ainda contava com mais brasileiros e espanhóis e ainda marfinenses e camaronenses.

O time titular é um misto de Brasil/Espanha, com quatro jogadores cada, a Colômbia tem dois jogadores e o país que eles representam tem apenas um jogador nativo.

A FIFA já olha torto para os lados da Guiné Equatorial. Futebol do país não se desenvolveu como esperado, muito por causa das grandes trocas de convocados, a cada rodada um novo jogador é naturalizado. A Guiné Equatorial não demonstra qualquer possibilidade de mudar o atual cenário.

Opinião

Na sua essência sou contra a naturalização de jogadores, perde-se a identidade com a seleção, mesmo que tenha apenas um jogador de fora. É fácil falar nesse caso, por ser brasileiro, o país do futebol, mas há excessos em outros casos. Caso se naturalize, tem que haver uma certa identificação com o país. Nos casos de dupla nacionalidade é outro caso, há a opção de escolher por qual seleção jogará. Já aqueles que não têm nenhuma ligação com o país devem ter um bom número de temporadas na liga nacional para daí sim ter a possibilidade, mesmo sendo algo até certo ponto estranho.

um comentário

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto:
Add this code before the tag: